El Rey del Compás

O mês de abril está começando e, como já havia anunciado, teremos como convidado de honra, “al Rey de Compás – Juan D’Arienzo”.

Para D’Arienzo, o tango era, essencialmente “fuerza, nervio, ritmo y carácter”, e sua orquestra, que era composta de um piano, um contra-baixo, cinco bandoneones, cinco violinos e três cantores, foi isso. Com maestria, ele resgatou “el tango 2×4”, alegre, brincalhão e mais rápido. D’Arienzo trouxe ar fresco e vivificador ao tango. Os salões e os tangueros agradecem!

Nos próximos dias contarei mais histórias! Aproveitem e assistam o vídeo da orquestra de D’Arienzo e o cantor Osvaldo Ramos interpretando o belíssimo tango Remenbranzas.

E esse link foi de uma apresentação minha e da Aurora na ¨Milonga del Patio, organizada pela amiga Adriana Perez Frossasco.

Abraço!

Juan D’Arienzo

Março está terminando e com ele, pelo menos por enquanto, o nosso estudo sobre a Orquestra de Lucio Demare. Gostaram? Para mim foi um prazer compartilhar esses momentos com vocês!

Não se esqueçam de que esta semana teremos um quiz sobre esta orquestra!

Para já prepararmos o nosso espírito e fôlego, envio um link da orquestra com a qual faremos as nossas aulas no mês de abril e, muito provavelmente, maio : Juan D’Arienzo!

Um abraço!

Tango em Março e Abril

O mês está chegando ao fim e, como prometido no começo das nossas aulas, na próxima semana farei um quiz sobre a orquestra de Lucio Demare.

Hehehe.. Não se preocupem que ninguém vai ficar de recuperação nem repetir de ano! É só uma brincadeira para que, dessa maneira possamos reconhecer  os detalhes dessa linda orquestra da década de 40.
Aqueles que quiserem, por conta própria, trazer informações e curiosidades sobre Demare, por favor, o façam.
No mês de abril, vamos estudar algumas das orquestras do período conhecido como Tango Milonguero. Ocasião para aprofundarmos nossa percepção da maneira como abraçamos, nossa sensibilidade musical e ritmo e algumas sequências para o salão de baile.
Para os que ainda não sabem a matéria do quiz, basta acessar:
Não se esqueçam de que amanhã, sábado 23, haverá uma palestra sobre a Terapia Bowen às 10h no Centro de Estudos da Técnica de Alexander em Botafogo.
E no domingo 24 às 18h a Prática de Tango na Estação do Corcovado!
Um grande abraço!

Malena

A música deste mitológico tango foi composta por Lucio Demare e a letra, pelo genial Homero Manzi.

Diz a lenda que ele começou a compôr este poema em São Paulo e o terminou em Buenos Aires, quando entregou a Demare para que  este escrevesse a melodia.

Com este tango, Manzi abre as portas para uma poesia mais refinada, com um certo toque surrealista. Quando diz “con voz de sombra” ou “tus venas tienen sangre de bandoneón”, nos remete a um surreal mundo onírico, onde as imagens se conectam de forma espontânea e aleatória, característico da escola em que Demare era um dos mais importantes representantes.

As letras deste tango foram inspiração para, posteriormente, Homero Expósito cantar las “trenzas de color de mate amargo” e Horacio Ferrer colocar uma “golondrina en el motor del automóvil supersport”.

Compartilho o vídeo da linda Roxanxa Fontán cantando Malena. Aproveitem!

Entrevista Viralapa News

Antonella Messina (6)

Entrevista feita pelo amigo Percy Rodrigues para o Viralapa News.

LUCIANO CARNEIRO OLIVEIRA BASTOS, 33 anos, nasceu na Bahia como legítimo soteropolitano, mas foi em Brasília, a partir dos 6 anos de idade, que ele estudou o ensino fundamental, segundo grau, chegando até a frequentar os primeiros períodos do curso de Direito. Sua paixão pela dança começou muito cedo e, com 15 anos, iniciou-se na dança de salão e tango. Aos 18 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde conheceu Paulo Araújo, fato marcante na vida dele, que o direcionou definitivamente para o estudo e desenvolvimento da dança do tango. Sob a orientação do mestre, aprimorou-se rapidamente e, com pouco mais de ano, em razão das viagens de Paulo Araújo ao exterior, passou a coordenar as turmas de tango em parceria com André Carvalho , Alice Vasques e Laure Quiquempois. Com o retorno de Paulo Araújo, Luciano decidiu realizar trabalho de pesquisa, e, durante 7 anos, aprimorou-se em capoeira, dança clássica, contemporânea, yoga e técnica de Alexander (terapia corporal de origem australiana).

Em 1999, Luciano Bastos conheceu Aurora Lubiz, renomada professora, bailarina e coreógrafa argentina, com quem teve aulas de tango, junto com Jorge Firpo. A partir de 2009, Luciano e Aurora formaram excepcional parceria, administrando classes de tango e fazendo apresentações no Rio de Janeiro e Buenos Aires alternadamente, inclusive atuando em cruzeiros marítimos, até os dias de hoje. Também, com Aurora, Luciano realizou diversas viagens ao exterior, visitando Itália (15 cidades), Holanda, Áustria, Canadá (por 4 vezes) e Ásia (China, Singapura e Coréia do Sul), sempre participando de festivais e workshops. Numa turnê , com duração de 3 anos, incluindo uma visita à Ásia, a dupla viajou com a orquestra “Café de Los Maestros”, constituida pelos mais famosos maestros argentinos, produtores e intérpretes do filme de mesmo nome, sucesso de bilheteria no Brasil, entre outros, Leopoldo Frederico (bandoneon), Fernando Suarez Paz (violino), Anibal Arias (guitarra) e Alberto Podestá (vocal). Em 2010, a convite do governo de Buenos Aires, Luciano e Aurora participaram do Festival e Mundial de Tango, administrando classes e realizando apresentações. No ano passado, a dupla de bailarinos participou do grandioso espetáculo “Eva Recorrido”, organizado pela diretora e bailarina Andréa Castelli, realizado no Museu Evita, em Buenos Aires. Não satisfeito com sua trajetória meteórica, Luciano Bastos ainda pretende desenvolver trabalho de resgate do glamour da dança e magia do ritmo nos salões do Rio de Janeiro, desenvolvendo fundamentos que contribuam para a essência da dança mediante o abraço e a entrega de corpos.

“Dei meus primeiros passos, pelo menos os primeiros passos dos quais me lembro, por volta dos meus10 anos, embaixo do chuveiro. É verdade, eu não cantava, dançava mesmo. No ano de 1995, descobri os ritmos da dança de salão, bem como o tango, no Centro de Dança Marcelo Amorim, em Brasília. Nesta ocasião, além de dar aulas, integrei a Companhia de Dança Marcelo Amorim. Em 1998, me mudei para o Rio de Janeiro. Tentando conciliar a Faculdade de Direito com a dança, conheci o Paulo Araújo, que me introduziu neste infinito universo do Tango e abriu as portas do Café Xangô e do Lugar Comum, ambos em Botafogo, onde estive por pouco mais de 1 ano.Eu acredito que este começo foi determinante na minha maneira de ver e sentir o tango, nas buscas e estudos que posteriormente fiz e que me tornaram o profissional que hoje sou.

Acredito que o movimento de tango no Rio passa por um delicado momento de transformação. Tive a oportunidade de percorrer o mundodançando e dando aulas de tango. Já trabalhei na Argentina, Canadá, Itália, Holanda, Áustria, China, Singapura e Coréia, e posso, desde estas minhas experiências, afirmar que precisamos resgatar aqui no Rio o prazer da dança pela dança. Mas o que é isso? Vou dar apenas um exemplo. Em muitas milongas “porteñas” da década de 30, não havia mesas e também não se vendiam bebidas nos salões da baile. As damas se sentavam ao redor do salão e os cavalheiros, que estavam de pé no centro da pista, as convidavam para dançar, e este era o principal objetivo deles. Talvez, não o único objetivo porque todos aqueles “tangueros” também queriam “levantar una mina”, ou seja, conhecer alguém e ter uma inesquecível noite de amor. Não digo com isso que devemos reproduzir este modelo e abolir a venda de bebidas nas milongas cariocas, mas sim nos inspirarmos neste exemplo e tentarmos reencontrar o prazer de ouvir um tango, de abraçar outra pessoa, fechar os olhos e sonhar. E é isto o que venho fazendo, tanto aqui no Rio como ao redor do mundo.

O tango é parte importante da minha vida, mas não a única. Nos últimos anos dei aula de capoeira infantil, estudei fotografia, canto, dança clássica e contemporânea. Neste exato momento da minha vida profissional, estou no meio de um processo de formação na Técnica de Alexander e outras terapias corporais. Acredito que tudo se complementa e essa capacidade de transitar por mundos aparentemente tão diferentes enriquece a nossa própria experiência e a dos que estão ao nosso redor.

O tango, há muito tempo, deixou de ser propriedade do “porteño”. Hoje dança-se tango no Brasil, na Islândia, em Taiwan e na Sibéria. Apesar de saber que existe algo no ar das ruas e cafés de Buenos Aires, que cheira a tango, nos olhares das pessoas no metrô e escadas rolantes, na agitação e frenesi daquela cidade grande e na paixão dessas pessoas ao sair às ruas com as suas panelas e colheres que não se encontra em outro lugar no mundo, acredito que o tango vive nos corações das pessoas que se apaixonaram por ele e mergulharam neste mar de emoções. Enquanto houver um “corazón que late”, haverá tango.

Falar sobre a dança e o tango é falar sobre a minha própria vida. A dança e o tango me deram uma identidade, uma filha, viagens, encontros, alegrias, lágrimas, muitos amigos e momentos de êxtase e agradecimento. Quando comecei a dançar, ouvi muitas vezes que eu devia seguir com a carreira de advogado, que a dança é um supérfluo na vida das pessoas e que, em um momento de dificuldade, é a primeira despesa a ser cortada. Depois de 15 anos dançando tango, posso assegurar que a dança não é o supérfluo, mas sim, um dos fatores que aumenta a nossa qualidade de vida. Quem dança é mais feliz e é justamente nos momentos de maior dificuldade que devemos nos agarrar ao que nos dá prazer e felicidade”.

Aulas de Tango

Oi a todos!

Mais uma semana começando e com ela, mais aulas de tango!
Neste mês de março estamos estudando e descobrindo um pouco sobre a Orquestra de Lucio Demare, grande pianista e compositor.
Além de, como sempre, técnica, abraço, condução etc..
Lembrando que as aulas acontecem em dois lugares:
Segunda-feira de 20h às 21h30 no Núcleo Lila e
Quinta-feira de 19h30 às 21h no Centro de Estudos da Técnica de Alexander.
A partir de maio haverá uma aula em grupo em Ipanema-RJ. Muito em breve mais informações.
Um abraço grande!